24 de jun de 2005

:: Pretérito imperfeito ::

Me irrita como as frases mais impactantes, as colocações mais precisas e os comentários mais espirituosos só me ocorrem quando o momento exato de serem disparados já aconteceu. O argumento que venceria a discussão, a piada que ganharia a garota, a observação que traria a promoção. Mas, na hora, o que sai é apenas uma ou outra interjeição deslocada.

A autoflagelação mental que acompanha esse tipo de insight costuma ser massacrante. Parece que todo mundo, exceto nós, tem a capacidade de saber o que fazer e dizer, e com isso toda a sua vida desenrola-se à frente como um tapete vermelho.

Precisar contar com a boa vontade do ouvinte, em geral, é também um problema. O que se diz pode ser interpretado de mil maneiras diferentes. Ainda mais hoje em dia, onde quase todas as conversas que acontecem em horário de trabalho são via msn, icq, e-mail ou coisa que o valha. Apesar de uns segundos de vantagem para pensar na tal colocação oportuna, a ausência da entonação de voz costuma levar o receptor da mensagem para onde seu humor aponta. Depois, consertar isso é às vezes tão complicado e cansativo que chegamos a pensar se realmente vale a pena. Mal dos tempos modernos, onde a globalização aproximou os povos mas os deixou completamente paranóicos.

E ainda tem gente que diz que “falar é fácil”.

Um comentário:

Cris* disse...

Falar é fácil! Também passo longe dessa afirmação! Porque, além de indecisa, sou freak and tímida... Até que eu decida o que devo falar e como devo falar, a situação já é outra, a pessoa já se foi, ou eu mesma já "fugi"... :)
Desde àquelas apresentações de trabalho, na escola, até conversinhas bobas (e até conversas ao telefone - não sou boa no telefone! Acho que, mesmo tímida, prefiro falar pessoalmente, porque, assim, talvez, a pessoa perceba o incômodo e tenha alguma piedade rs..), às vezes parece tão difícil saber a coisa certa a se dizer. E, quando, num raríssimo momento de coragem, falo àquela pessoa o que tenho guardado aqui, num instante seguinte parece que um grande arrependimento toma conta de mim.
Não que eu seja uma estranha que não fala(será que não?!)... isso acontece com determinadas pessoas, determinadas situações.
Falar não é nada fácil. Agora, para a atrapalhada aqui, falhar é. Mas sabe que ultimamente tenho me permitido falhar mais, e percebi uns acertos no meio. rs... Viu, pode acontecer! :)
bjs*