22 de nov de 2005

:: Sereia ::

Perdoe se não junto-me ao séquito que lhe acompanha pela noite, lançando em sua direção um arsenal de gestos e olhares pré-concebidos e utilizados tantas e tantas vezes, para tantas e tantas antes de você, para conseguir algo que, se você não conceder, há tantas e tantas que o farão e a esse satisfarão da mesma forma. Perdoe se para mim não "tanto faz". Perdoe se não sou outro dos que a olham cochichando com o vizinho a respeito dos seus movimentos quando dança. Se não me contento em vê-la seduzir o mundo, satisfeita por ser o assunto da mesa do bar no dia seguinte, ainda que em sua cama lhe espere apenas o travesseiro. Se é o tipo de coisa que a satisfaz, lamento dizer, é o tipo que em mim causa efeito oposto.

Não finjo oferecer mais do que posso, mas o que posso ofereço com sinceridade. Não use o que oferto para alimentar um ego que, ainda por cima, não precisa desse tipo de artifício para ser adornado. Sua simpatia extravagante me parece agora um clamor por aceitação, e as cores que me atraíram parecem fugidias como as do arco-íris: mostram-se apenas para quem estiver disposto a vê-las. Sou, agora, um dos que desviam o olhar.

Não finjo ter mais do que tenho, e o que tenho é o que sou. No que resta, conta-se ainda alguma dignidade. Não pretendo gastá-la com você.
•••

Um comentário:

Lu disse...

Onde entro com os papéis para a conversa em real time???
Está começando a ficar torturante esse jogo de gato e rato...
PS: gostei do template novo, principalmente do ícone junto à música.
PS2: ninguém reclamou da minha troca até agora não..
Bjo moço. ;)