7 de set de 2006

:: Stop ::

Era café preto, quente, amargo. E era um hambúrguer duro, gorduroso. E era água, morna, grossa. E eram três da manhã, e frio, e longe, e chovia, e sozinho, e uma lanchonete saída de um road-movie barato. E era um som ambiente, além do som do ambiente, com a versão de Timmy Thomas para “why can´t we be together”. E era fumaça, muita fumaça, e muito cigarro, e muito charuto, e muito conhaque, e muitos cheiros. E era o balcão, molhado, e cerveja, e amendoins, e saquinhos de sal, e palitos, e guardanapos, e catchup, e mostarda, e pano de prato, e a garçonete gorda, e o cara de boné e a camiseta curta demais para sua barriga. E era o bêbado, sonhando na mesa, e o néon anunciando bebida com duas letras apagadas, e a tevê com seu filme em preto-e-branco (e era faroeste), e uma daquelas luzes azuis que atraem as moscas para a morte. E era mato, cigarra, grilo. E eram caminhões que passavam gritando, e luzes piscando, e alguém entrando, e tosse, e pigarro, e bocejo, e sorriso alcoólico, e aspirinas, e palitos, e azeitonas, e guardanapos, e copo vazio, e o cozinheiro, e torta de limão, e picles, e exaustor, e azulejos, e a porta vaivém do banheiro, e toalha de papel, e sabonete líquido, e moedinhas para a caixinha, e papel-higiênico rosa, e eucalipto, e torneira fria para a água no rosto. E era a conta, e a gorjeta, e o sorriso, e o “obrigado”, e a chave, e o carro, e o motor, e o suspiro, e o pensamento, e os olhos, e a estrada, e as placas, e o rádio, e Timmy Thomas.


E era um dia, talvez terça, e uma esperança, talvez outra, e uma certeza, talvez a mesma.

•••

10 comentários:

Renata (Suelizinha) disse...

Tive que deixar um comentário! Pela primeira vez!
Gostei muito! Me senti nesse lugar.
Beijos

YLLEK disse...

RENATO AMEI SEU TRABALHO VC É MUITO CRÍTICO E PRA MIM QUE SOU PROFESSORA DE HISTÓRIA É TUDO O QUE GOSTO DE VER , PESSOAS ÍNTEGRAS COMO VC..BJÃO VC FOI ESPETACULAR EM SUAS PALAVRAS.

Me disse...

Muito bom, perfeito, e sem apelação. Acho que vc não esqueceu nada mesmo! Me sentí lá, que horror!!!!rsrsrs.

José Cardozo disse...

e a ladeira, e a escada, e o elevador, e a cantina, e a sala, e a porta fechada, e o chão limpo, e a serpente, e o peixe morto, e o músculo cansado, e o osso dolorido, e a tensão no pescoço, e a voz... desce pela esquerda e sobe pelo centro. E era uma sexta-feira, sim era uma sexta, uma sexta que, sem certeza alguma, vai se transformar em outra.
Grande abraço,
zé.

Lili disse...

Nossa Uffa!!!...Ainda bem q saiu, já tava nervosa de te ver nesse lugar...rs

Lu disse...

O café era expresso, ao menos?

the one and only!!! disse...

Querido, depois de um século, cá estou.
O que penso dos seus textos você já sabe... amo todos, amo cada palavra que você escreve (areia ainda é preferido!)
E agora "to que to me achando"! afinal, modero uma comunidade para você uhuuu rs...

A gente precisa se falar mais, hein... scraps rápidos não são mais suficientes humpf!!!!

bjsssss

ps. amanhã é terça! eba eba eba

Giovanna disse...

Muito bom!!!!!!! Parabéns!!!!!!
Não tive tempo de ler as outras...mas amanhã vejo com mais calma...adorei!!!! Bem simples,clara e realista, cheia de significado...daqueles que a gente nem pára pra pensar...simplesmente atropela com todas as neuroses do dia-a-dia e esquece de viver as coisas simples e belas!!!!!!
Parabéns mesmo!!!!
Um beijo!!!!

R. disse...

Vietnãããããããããããããããããa

Gi disse...

Você faz uso das palavras com uma genialidade estonteante! Fantástico!