16 de set de 2006

:: Mirante ::

Sabe o que é pensar que houve um momento, ainda que um dia ou uma hora ou um pensamento, em que foi considerado? Talvez um talvez, ou mais ainda, um pode ser. Ah, e sei como são os devaneios: nos levam em um segundo pelo curso de toda a vida. Sonhara com um “quem sabe”, mas me faria contente com um “e porque não?”

Mas iludido, ainda, ouvi nem haver cogitação. Sei que a culpa do sentir é a mesma da indiferença: é o que temos, quando temos, sentenciados que somos por essa inocência. Que se rasurem estas linhas, se a página se recusa a ser virada.

Curioso o dia em que descobrimos serem as lembranças, enfim, pessoas: a primeira paixão, em frente à mais recente. Desconhecidas entre si, mas que tanto têm em comum, quando sorriem do jeito que um dia vi. Ironias orquestradas por alguém, não sei quem, que ri.

Sigo o passo no compasso do suspiro, do queixo apoiado na mão e dos olhos no horizonte, à espera do dia em que algo enfim desponte nele.
•••


5 comentários:

Thaise disse...

uma única palavra: forte.

fm disse...

"q se rasurem estas linhas..."... gostei muito desse trexo. embora, muito embora, a temática, o curso, a vida, me pareça assim: impassível... apesar d td sentimento. ñ muda, vc; muda a maneira d ser.

mas quem sou eu p dizer - seria humano se ñ fosse nada.

Bia disse...

adorei...
tava de bobeira no rokut e vi sua comunidade... e vim ver o q vc escrevia... mt mt bom! parabéns!! =)

Giovanna disse...

Inexplicavelmente sensível e absurdamente lindo!!!!!!!!!!!!!!!!!
Parabéns!!!!!!!!!!!!!
Bjssssssssssssssssssss

P.S.-Ainda tenho mto o que atualizar no meu blog...

Luciana disse...

peguei emprestado um trecho .. gostei mt ... me identifiquei ..
tomara que naum tenha problema !! coloquei entre aspas e citei seu nome tah bom ??
=) parabens !!
continue escrevendo .. voce parece ser mt bom nissoo x]