23 de jun de 2008

:: Catatonia ::

Eu recomeço, eis-me aqui de novo
Meu despautério, mas sua esta idéia
É o canto morto dessa tal sereia
Que lhe orna a face, o rosto de Medéia

Repasso o passo: mais um dia cinza
E guardo a voz num roto relicário
Ainda que não seja mais tão minha
Será meu tanto, neste campanário

O riso tolo em qualquer instância
Refaz o som de sua voz mais séria
Eu perco tempo, vislumbro da janela
De trás do corpo, desta vil pilhéria

Não vejo cores, tenho ouvidos moucos
E a pele morna não responde ao toque
Eu fecho a porta, tranco o sonho louco
E já não espero mais sua resposta


...



Nenhum comentário: