30 de mar de 2009

:: Anedonia ::

E estava ali, sem saber como havia chegado.

Era uma reunião qualquer, sobre novos mercados na Ásia e sobre a importância da implantação de um sistema de gestão de cotas e de núcleos empresariais auto-sustentáveis. Caiu em si quando lhe disseram alguma coisa e ele repetiu, em forma de pergunta, a última frase que ouvira: todos o acharam inteligentíssimo, enquanto ele próprio sentia-se uma fraude e procurava posição mais confortável na cadeira.

Agora era meio da tarde e ele comprava café descafeinado com leite sem lactose e adoçante, a caminho do hotel que lhe oferecia mais opções de lazer do que estaria disposto a experimentar se tivesse tempo; mas o que tem é suficiente apenas para uma troca de roupas e, talvez, uma rápida chuveirada: não poderia arriscar atrasar-se para o jantar, e o trânsito naquela cidade era de loucos.

Agora, meio da madrugada e era impossível dormir. Engoliu dois comprimidos e procurou o que ver na TV: apenas ofertas de jóias de qualidade duvidosa, vendidas a preço de duas por uma, e de crucifixos abençoados pelo próprio Papa em pessoa. Já lera alguma coisa do Novo Testamento impresso pelos Gideões que encontrara em seu criado-mudo, e se interessara em especial por uma passagem em João, que leria com mais calma depois.

Agora, um novo dia: café da manhã com ovos demais, bacon demais, manteiga demais e um suco de frutas claramente pouco à vontade sobre a mesa. O sol ofertava convites ao mar, a uma caminhada, a uma reflexão. Declinou-os todos: talvez depois; o celular, tal como ele, mal dormira a noite inteira, lembrando-o de horários e de compromissos. Avisou-o algumas vezes de que havia gente em casa querendo falar, mas agora não havia tempo. Sabia que estava esquecendo de algo, mas convencia-se com uma falsa certeza de que não devia ser importante, caso contrário lembrar-se-ia, claro; e, ainda que fosse, com essa mesma certeza, repetia para si mesmo que um presente comprado no aeroporto no dia da volta compensaria qualquer falta.

Haverá tempo, um dia. Mas não agora.


...


Nenhum comentário: