29 de mar de 2010

:: Serenar ::

Vem, deita aqui ao meu lado, ainda que por apenas um pouco mais. A janela está fechada, e ainda que as gotas da chuva insistam tentando entrar, este momento é apenas de nós dois, e mais ninguém há no mundo.

Deita. O filme começou há já algum tempo, mas podemos sussurar no ouvido um do outro alguns palpites sobre o que aconteceu e podemos chegar a conclusões precipitadas sobre o que ainda vai acontecer. Podemos discordar só por implicância, pra depois algum de nós dizer que tinha razão e cobrar do outro seja o que for que inventar que merece.

Deita aqui, pois já servi o vinho, e se esse se atrever a lançar-se entre nós, reclamando lugar no lençol, deixe estar: há muito mais de onde vieram ambos, e logo a sobriedade vai desisitir de nos chamar à razão e deixar que nos entreguemos a qualquer devaneio que pareça interessante, a qualquer riso sem motivo que nos queira brotar no rosto.

Já não importa como seja a noite, pois quem a fará somos nós, enquanto deuses do nosso próprio tempo, senhores dos nossos sabores, até que algum sol, daqui a mais horas do que as que nos dão, resolva lembrar-nos de que há um mundo além do nosso ao qual, volta e meia, precisamos retornar.

E enfim, segura minha mão: boa noite.

...
Publicado por Renato Alt