11 de abr de 2011

:: Pantomima ::

É insuportável a eterna felicidade em que todo mundo finge viver: alegrias em subnicks, em mensagens de PowerPoint, em conversas vazias sobre o final de semana, enquanto esperam que a máquina lhes sirva um café.


A máquina.


Não resta nada para nós agora. Custei, entendi: é demais o que há para lidar, é demais o que há para pensar, e seríamos, somos, intragáveis um para o outro, assim, como somos, como queremos ser e da maneira que queremos continuar, imutáveis em nossos sonhos perdidos e desejos esquecidos, por entre as trincheiras que a sobrevivência nos fez abrir.


É demais para falar agora: não tenho palavras o suficiente para discorrer, e sei que nem você o tempo - e, menos ainda, a vontade - para ouvir. E, verdade seja dita, já não quero que ouça: tudo isso a deixaria ciente demais, lúcida demais, a respeito do que de fato sou: coisa tão longe desta imagem que lhe mostro, que mostro a todos, que escondo com o sorriso e da qual desvio atenção com uma ou outra colocação bem-humorada.


Siga então seu caminho, enquanto eu a olho à distância. Volta e meia percebo seu aceno, mas sei que já não me chama, e ainda que o fizesse, sei que eu não responderia.


Adiante, porque é preciso, ainda que a vontade, fria, dura e imponente, seja a de permanecer quieto, ileso, confuso e confortável, nesta toca de inexistência na qual escolhemos nos confinar.






•••
Publicado por Renato Alt

Um comentário:

Nat disse...

Sou do tempo que as cartas de amor eram enviadas pelo correio. Eram guardadas em caixas de papelão e ficavam escondidas no fundo do armário, onde ninguém pudesse encontrar. Não entendo essa necessidade louca de expor sentimentos em redes sociais, que parece obrigar o usuário a rasgar seus depoimentos na presença de todos os 959 amigos do facebook quando troca seu perfil para single again. Que mico, né? Então vamos lá fingir que está tudo bem, que o find foi perfeito e que estamos vivendo a vida intensamente. Não, não precisamos dar tanta satisfação pra toda essa gente. Podemos escolher a opção " não te interessa" e continuar evitando que nossas correspondências sejam violadas.