17 de set de 2012

Simbiota

Ficou parado, atônito.

Passou-se tanto desde que haviam falado; tanto de tudo: de tempo, de gente, de emoção.

Era manhã típica de inverno, fria, escura, vento querendo arrancar cada folha que pudesse ter restado nalguma árvore, e a paisagem era toda um silêncio só, até onde a vista alcançava.

Na última vez em que a vira, já não havia os incômodos que tanto marcaram os últimos dias, ou aquelas pequenas impaciências que levaram aos grandes arroubos emocionais.

Quando decidira sair, ela o fizera pelo desespero de ambos, insuportáveis quando juntos, miséraveis quando distantes.

E então foram muitos os dias em que acordara sem saber ao certo por que fazê-lo, ou por que escovar os dentes, ou por que trabalhar. De fato, sentia ter entrado em um torpor que o mantinha à margem da vida, como se tudo fora sonho, como se tudo se definisse nele, e fossem irreais todas as pessoas com quem falava, e estranhas todas as palavras que ouvia.

Insistia, assim, existindo. Queria ligar para ela, mas haviam combinado não se falar por algum tempo: o telefone queimava-lhe as mãos, a vontade sufocava entalada na garganta.

Aos poucos, os dias voltaram a ter ar.

Foi quando naquela manhã típica de inverno, fria, escura, vento impiedoso, ele ouviu tocar a campainha. Era ainda cedo, e ele vestiu o roupão e os chinelos para ir até a porta.

Ao abri-la, então, lá estava ela, quatro degraus abaixo. Gorro na cabeça, cachecol, luvas de lã. Uma pequena mala de viagem, a mesma que usara quando saiu, e que agora descansava na calçada.

Em seus olhos, uma esperança trêmula, temerosa. Em seus lábios, um esboço de sorriso.

Era todo o silêncio que envolvia o mundo, que naquele instante parara de girar.

Ela perguntou com voz rouca, finalmente.

- Posso entrar?

Ele nada disse. Apenas virou o corpo de lado, dando passagem.
Entraram ela, a mala, e o suspiro que esteve preso por mais tempo do que imaginaram.

Sozinha, atrás deles, a porta fechou em um estalo suave.
E, a frente, um futuro se descortinava.

•••
Publicado por Renato Alt

Nenhum comentário: